segunda-feira, 30 de março de 2015

Crítica: Deu a louca na Chapeuzinho Vermelho

  Assisti esse filme, então decidi comparar com a história original e a seguir uma crítica.
  Começando pelo geral da história, o inicio é totalmente diferente, a personagem que veria ser a mãe não existe, chapeuzinho não é mandada por ela à casa da vovó, ela vai por conta própria. A inocência foi totalmente tirada de alguns personagens, adicionando outros à história, como por exemplo, os três porquinhos.
   Se focarmos na Chapeuzinho veremos que ela não é mais aquela garotinha frágil e inocente, nesta nova versão da história ela muda drasticamente se mostrando inteligente, corajosa e com uma personalidade muito forte. Que se mete em uma aventura para salvar a floresta onde vive.
                                

   Por sua vez, a vovó não ficou para trás, largando os pauzinho do tricô e segurando seu equipamento de esquiar, se transforma em uma vovó corajosa, forte e totalmente radical, escondendo seu verdadeiro gosto pelo extremo, cria doces para os animaizinhos da floresta.

  Já o Lobo que nas outras histórias sempre é o vilão, vira um repórter muito engraçado e esquisito, que anda com seu esquilo, que por sua vez tira fotos para as reportagens.


   O lenhador, na verdade não é um lenhador, é apenas um cara que sonha cantar em uma banda e começa a carreira de ator, mas no seu primeiro papel ele pega o de lenhador, sendo assim ele precisa praticar e sai cortando árvores, até acabar se encontrando desastrosamente com os outros personagens principais.

   Como o lobo não vem a ser o vilão, alguém precisa ser, e para dar um pouco mais de suspense e curiosidade, por que não, escolher um coelho, afinal ninguém suspeitará dele, mesmo estando ligado a todos os personagens, apenas no final fica claro quem é e o porquê deste crime.


     A história em si se transforma em uma comédia, principalmente com a personalidade dos personagens principais mudadas e a adição de outros.
     Mas concluindo, esta edição da história, não serve nem de longe para educar, que nem a antiga, e quando falo da antiga, não me refiro a que todos provavelmente conhecem, e sim a original, a que os irmãos Grim modificaram para ser menos pesada para as crianças, pois a original envolve coisas mais fortes por exemplo: estupro, coisa que esta edição e a dos Grim nem chegam perto de apresentar. Essa história foi feita mais para a diversão enquanto a outra para ensinar valores.
     E claro devemos observar que nesta nova edição foram postas traços totalmente inexistentes, por exemplo uma cena em que o ventilador de teto acaba enrolando a avó em uma corda, e esta, sem se mexer fica presa no armário. Mas claro que algumas coisas foram mantidas por exemplo: o elemento essencial que é o capuz vermelho. Bom as crianças de hoje estão acostumadas a esses artifícios fantásticos.

   Indico muito esse filme a todas as faixas etárias, principalmente se você quer ter uma tarde bem divertida na frente da TV com um saco de pipocas em suas mãos.